Childhood and education: intertwined stories, social relations, institutions and pedagogies (XVIII to XX centuries) / Call for Papers / Espacio, Tiempo y Educación (v. 8 n. 1, 2021)

Call for Papers – Espacio, Tiempo y Educación, v. 8 n. 1, 2021

Text available in English / Texto disponible en Español / Texto disponível em Português / Testo disponibile in Italiano

4Childhood and education: intertwined stories, social relations, institutions and pedagogies (XVIII to XX centuries)

This monographic issue aims to establish a dialogue between the history of childhood and the history of education. In recent decades, the historiography of childhood has become an important area of research. In addition to the connection with the currents of the history of welfare, family and education, children have begun to be visible as social actors, inside and outside the institutions.

The development of the history of childhood has allowed the displacement of an abstract idea of the child (understood as a category of age opposed to that of the adult) to a look that problematizes relations between age groups, which are determined from social and specific cultural contexts.

The interaction between people of all ages comes into play and dynamic conceptualisations are established that indicate and name the different age groups: children, adolescents, young people, adults and the elderly. In this way, ages are understood as part of the cycle of life, from birth to death, as well as from social and cultural production and reproduction, and not as watertight categories. These distinctions also have an impact on the different socio-economic realities that determine the existence of different childhoods within the same society.

The delimitation of ages has direct implications for the history of education. For example, in terms of the education of young children in nurseries and early childhood schools, it is noted that this story managed to occupy a space in research with great effort and is still seen marginally, as a “small” story, disconnected from the history of primary school to which greater attention is given.

At the other extreme, when we talk about poor adolescents and young people, they are considered uniformly as if they were part of childhood and not as another age group as, for example, in the case of “child labor”, the employment of adolescents or young people as equated with the exploitation of the little ones.

The recognition of different childhoods implies the need to contemplate the existence of an educational plurality, in order to overcome idealized and partial interpretations of educational systems. The history of childhood necessarily implies issues related to the understanding of educational processes within social relationships in a broad way. The history of children’s education involves the relations of society with that period of life, care, instruction and the most diverse forms and places of social and cultural production and reproduction. This makes it possible to look at the history of childhood as imbued by education, and so inseparable from the study of the condition of childhood.

Suggested topics, among others, include:

  1. childhood and national and regional identities (Latin America, Africa, Asia, Europe etc.);
  2. the education and care of babies;
  3. education and culture institutions;
  4. education of children in extracurricular spaces;
  5. intellectuals and childhood;
  6. the production of objects aimed at the education of children (such as books and other teaching materials);
  7. gender differences from an educational perspective;
  8. health, hygiene and education;
  9. sources.

3Infancia y educación: historias entrecruzadas, relaciones sociales, instituciones y pedagogías (siglos XVIII al XX)

Este número monográfico tiene como objetivo establecer un diálogo entre la historia de la infancia y la historia de la educación. En las últimas décadas, la historiografía de la infancia se ha convertido en un área importante de investigación. Además de la conexión con las corrientes de la historia del asistencialismo, de la familia y de la educación, los niños se han comenzado a visibilizar como actores sociales, dentro y fuera de las instituciones.

El desarrollo de la historia de la infancia ha permitido el desplazamiento de una idea abstracta del niño (entendido como una categoría de edad opuesta a la del adulto) a una mirada que problematiza las relaciones entre grupos etarios, que se determinan a partir de contextos sociales y culturales específicos. En ella entra en juego la interacción entre personas de todas las edades y se establecen conceptualizaciones dinámicas que señalan y  nombran a los distintos grupos etarios: niños, adolescentes, jóvenes, adultos y ancianos. De esta manera, las edades se entienden como parte del ciclo de la vida, del nacimiento a la muerte, así como de la producción y reproducción social y cultural, y no como categorías estancas. En estas distinciones repercuten además las distintas realidades socioeconómicas que determinan la existencia de distintas infancias en el seno de una misma sociedad.

La delimitación de las edades tiene implicaciones directas para la historia de la educación. Por ejemplo, en cuanto a la educación de los niños pequeños en guarderías y en escuelas de educación inicial, se nota que esa historia consiguió ocupar un espacio en las investigaciones con mucho  esfuerzo y todavía es vista de forma marginal, como una historia “pequeña”, desvinculada de la historia de la escuela primaria a la que se otorga mayor atención. En el otro extremo etario, al hablar de adolescentes y jóvenes pobres, se los considera uniformemente como si fueran parte de la infancia y no como otro grupo de edad, por ejemplo nominándose como “trabajo infantil” a las actividades laborales de adolescentes o de jóvenes como equiparadas a la explotación de los pequeños.

El reconocimiento de diferentes infancias implica la necesidad de contemplar la existencia de una pluralidad educativa, de modo a superar interpretaciones idealizadas y parciales de los sistemas educativos. La historia de la infancia envuelve necesariamente cuestiones relacionadas a la comprensión de los procesos educativos en el interior de las relaciones sociales de forma amplia. La historia de la educación de los niños involucra las relaciones de la sociedad con ese período de la vida, los cuidados, la instrucción y las más diversas formas y lugares de producción y reproducción social y cultural. Eso hace posible mirar a la historia de la infancia como impregnada por la educación, así como a ésta como indisociable del estudio de la condición de la infancia.

Los temas sugeridos, entre otros, incluyen:

  1. la infancia y las identidades nacionales y regionales (América Latina, África, Asia, Europa etc.);
  2. la educación y los cuidados de los bebés;
  3. instituciones de educación y de cultura;
  4. educación de los niños en espacios extraescolares;
  5. intelectuales e infancia;
  6. la producción de objetos orientados a la educación de los niños (como libros y otros materiales didácticos);
  7. las diferencias de género desde la mirada educativa;
  8. salud, higiene y educación;
  9. fuentes.

2Infância e educação: histórias entrelaçadas, relações sociais e instituições (do século XVIII ao XX)

Este número monográfico tem como objetivo estabelecer um diálogo entre a história da infância e a história da educação. Nas últimas décadas, a historiografia da infância converteu-se em uma importante área de investigação. Além da conexão com as correntes da história da assistência, da família e da educação, as crianças começaram a se tornar visíveis como atores sociais, dentro e fora das instituições.

O desenvolvimento da história da infância permitiu o deslocamento de uma ideia abstrata da criança (entendida como uma categoria de idade oposta à do adulto), para um olhar que problematiza a relação entre grupos etários, que se determinam a partir de contextos sociais e culturais específicos. Isso põe em jogo uma interação entre pessoas de todas as idades e se estabelecem conceituações dinâmicas que apontam e nomeiam os distintos grupos etários: crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos. Desse modo, entendem-se as idades não como categorias estanques, mas como parte do ciclo da vida, do nascimento à morte, assim como da produção e reprodução social e cultural. Nessas distinções repercutem ainda as distintas realidades socioeconômicas que determinam a existência de diferentes infâncias no seio de uma mesma sociedade.

A delimitação das idades tem implicações diretas para a história da educação. Por exemplo, quanto à educação das crianças pequenas em creches e pré-escolas, se nota que essa história conseguiu ocupar um espaço nas investigações com muito esforço e ainda é vista de forma marginal, como uma história “pequena”, desvinculada da história da escola primária, à qual se outorga maior atenção. No outro extremo etário, ao falar de adolescentes e jovens pobres, são considerados uniformemente como se fossem parte da infância e não como outros grupos de idade, por exemplo quando se nomeia como “trabalho infantil” às atividades laborais de adolescentes ou de jovens, equiparadas à exploração dos pequenos.

O reconhecimento de diferentes infâncias implica a necessidade de contemplar a existência de uma pluralidade educacional, de modo a superar interpretações idealizadas e parciais dos sistemas educativos. A história da infância envolve necessariamente questões relacionadas à compreensão dos processos educacionais no interior das relações sociais de forma ampla. A história da educação das crianças envolve as relações da sociedade com esse período da vida, os cuidados, a instrução e as mais diversas formas e lugares de produção e reprodução social e cultural. Isso possibilita olhar a história da infância como impregnada pela educação, assim como a esta como indissociável do estudo da condição da infância.

Os temas sugeridos, entre outros, incluem:

  1. a infância e as identidades nacionais e regionais (América Latina, Áfria, Ásia, Europa etc.);
  2. a educação e o cuidado dos bebês;
  3. instituições de educação e de cultura;
  4. educação das crianças em espaços extraescolares;
  5. intelectuais e infância;
  6. a produção de objetos dirigidos à educação das crianças (como livros e outros materiais didáticos);
  7. as diferenças de gênero desde o olhar educacional;
  8. saúde, higiene e educação;
  9. fontes.

1Infanzia e educazione: storie incrociate. Relazioni sociali, istituzioni e pedagogie (dal XVIII al XX secolo)

L’obiettivo primario di questa monografia è definire un relazione tra la storia dell’infanzia e la storia dell’educazione. Negli ultimi decenni la storiografia dell’infanzia si è trasformata in una vera e propria materia di studio. Infatti, i bambini non sono più rapportati solo alle istituzioni per l’assistenza all’infanzia, all’importanza della famiglia e ai processi educativi ma diventano protagonisti e, in quanto tali, attori sociali, dentro e fuori le istituzioni.

L’evoluzione della storia dell’infanzia descrive il bambino non come un’entità astratta (ovvero una categoria di età opposta a quella dell’adulto), ma come un’entità che si relaziona con altre fasce di età con tutte le problematiche derivanti dai contesti sociali e culturali specifici. In questa evoluzione entrano in gioco l’interazione tra persone di  tutte le età e anche nuove dinamiche concettuali che identificano  e differenziano le età in gruppi distinti: bambini, adolescenti, giovani e adulti. In questo modo le fasce d’età non sono più considerate come categorie passive bensì come parti attive del ciclo della vita, dalla nascita alla morte, e contribuiscono alla generazione e alla propagazione sociale e culturale. Ovviamente le diverse realtà socio-economiche hanno un ruolo determinante sulla formazione infantile all’interno della stessa società.

L’introduzione delle fasce d’età ha delle ripercussioni dirette sulla storia dell’educazione. Il tema dell’educazione dei bambini negli asili nido e nelle scuole di formazione primaria ne è un esempio. Questo argomento è sempre stato trattato  nella storia dell’educazione in maniera molto marginale come se fosse una tematica trascurabile, svincolata dalla storia della scuola primaria, oggetto invece, di maggiore attenzione. Gli anziani considerano gli adolescenti come se fossero parte della categoria “infanzia” e non come un’entità sociale legata a problemi quali il lavoro minorile che coinvolge adolescenti e giovani e il più delle volte equivale allo sfruttamento dei minori.

Il riconoscimento di diverse forme di infanzia conduce alla necessità di considerare l’esistenza di una pluralità educativa così da superare l’interpretazione idealista e limitata dei sistemi educativi. La storia dell’infanzia ricopre necessariamente problemi derivanti dalla comprensione di processi educativi all’interno di relazioni sociali diffuse su base più ampia. La storia dell’educazione infantile si fonda sulla relazione tra la società e questo periodo della vita, sulle istituzioni assistenziali, sui processi educativi e su differenti forme e luoghi di generazione e propagazione sociale e culturale. Ciò consente di considerare la storia dell’infanzia come parte essenziale dell’educazione, così come quest’ultima non può essere slegata dallo studio dello status d’infanzia.

Le tematiche suggerite includono:

  1. l’infanzia e le identità nazionali e regionali (America Latina, Africa, Asia Europa, ecc.);
  2. l’educazione e la cura del neonato;
  3. le istituzioni educative e culturali;
  4. l’educazione dei bambini in spazi extrascolastici;
  5. gli intellettuali e l’infanzia;
  6. la produzione di oggetti rivolti all’educazione dei bambini (come libri e altri materiali didattici);
  7. le differenze di genere da un punto di vista educativo;
  8. la salute, l’igiene e l’educazione;
  9. le fonti.

Guest Editors:

Moysés Kuhlmann Jr. (Universidade Católica de Santos; Fundação Carlos Chagas, Brazil) and Beatriz Alcubierre Moya (Universidad Autónoma del Estado de Morelos, Mexico)

Deadline for the submission of originals: September 10, 2019